sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

Bibliomania ao extremo.

 Meus queridos, acabo de receber um livro que comprei  há uns quinze dias no site da Submarino, e confesso, comprei-o só pelo título e pensei: -" Quero só ver no que vai dar!"
BIBLIOMANIA seguido do CRIME DO LIVREIRO CATALÃO. Editora: Casa da palavra.





Porque pelo título? A resposta é óbvia. Minha paixão e "loucura" pelos livros. Entenderam, né?
Então, vamos ao que interessa... O autor Gustave Flaubert quando escreveu esse livro  (o seu primeiro) quando tinha apenas 15 anos,  fica nítido a falta  de experiência e até mesmo a ausência de criatividade, no entanto, algumas frases referente  a paixão pelos livros.

" Apanhava um livro, folheava suas páginas, manuseava seu papel, examinava suas dobraduras, a capa, os tipos,a tinta, as dobras. e o arranjo dos desenhos para a palavra finis; depois, trocava-o de lugar, colocava-o numa prateleira mais alta, e permanecia horas inteiras a observar-lhe o título e a forma". p. 19



Inspirado em uma matéria publicada na  GAZETTE DES TRIBUNAUX ( Gazeta dos Tribunais), jornal francês que relatou um crime cometido por um livreiro assassino, onde foi condenado a morte, Flaubert escreve sobre o  livreiro Giácomo, que tem verdadeira obsessão por seus livros, mas um dilema o atormenta, tendo que  sobreviver da venda de seus objetos preciosos, sendo  até  contraditório. 
O  enrendo fica ainda mais inusitado quando aparece em sua loja um estudante que o ludibria, para comprar um exemplar único que ele guarda a "sete chaves", enfim, o estudante consegue o que queria e ainda o engana; dando-lhe uma falsa informação de uma outra obra rara, que estaria sendo vendida ali nas proximidades de onde Giácomo morava. Na ânsia que adquirir esse único exemplar existente, o jovem livreiro chega ao ponto de usar todo o dinheiro que dispunha para adquirir o tão sonhado exemplar em um leilão. Mas nem assim ele consegue; o seu rival pessoal e de profissão arremata o livro. Em seguida uma série de coisas improváveis acontecem.

Enfim a princípio o conto é interessante até a gente ler o texto original publicado pela A Gazeta dos Tribunais, percebe-se que Flaubert não usou de muita criatividade para seu conto. Mas resumindo eu gostei mais pelo tema do que pela história.

Mesmo assim leiam...  

Bjos da Paty!!!


2 comentários:

  1. De Flaubert eu li apenas Madame Bovary e isso há muito tempo, quando estava no colégio...

    ResponderExcluir